As Faces do Sagrado Feminino

A VIDA EM 12 FACES… EM ETERNO PROCESSO DE CRIAÇÃO…​

Há no abismo dos céus um sonho sem fim, Innanah… sonho esse que é infinito e que se manifesta em vida pelo sopro de Nanshe, que nos ensina a sonhar também.

Mas é preciso sabedoria para sonhar, lembrar, moldar, criar.

Nos surge então Ninhursag com todos os escritos sagrados inscritos em todas as montanhas, em ensinamentos sem fim.

Chega a lua em seus ciclos que nos doa um instinto que nos permite ver no céu o brilho de Innah que nos faz caber em tempos de vida.

Innah, a lua em poesia, nos diz que sem amor não há nada, e nos mostra então as águas doces de Ishtar, os fluxos femininos de amor e de vida…

O amor que nos aponta os mistérios do sagrado feminino, Siduri.

Em tendas de mistérios surgem novas possibilidades, e eis que se abrem todas as portas.

Entre ventos e franjas com toda a força das que vieram antes de nós, adentramos a esse novo sem medo, seguindo Ianat que se coloca nossa frente como um escudo. E nos diz que é preciso mais… é preciso juntar todas as vidas em um só propósito antes de seguir.

Então nos atrelamos umas nas outras pelas tranças de Uttu que nos tece em teias de vida, mistérios e magias para seguir para casa, para um seio de família onde há um banquete que nos espera.

Com uma mesa em festa, somos recebidas por Ninkassi, que nos nutre a alma, o corpo e nos mostra que agora estamos prontas para gerar novas vidas, e para aprender todas as curas de Gullah que em seus círculos sem fim nos leva ao contentamento de viver em fluxo, de seguir na abundancia da Terra mãe, que tudo dá. É tempo de mergulhar nos braços de Asherá, essa mãe que é a terra e que é o mar, e que nos leva ao êxtase para o rito da vida, e surge Sharit, que então nos conta todo o caminho já percorrido através de muitos tempos…

E nos mostra o caminhos percorrer em tempos sem fim, revivendo o legado de cada face que pisou a terra antes de nós, e hoje são as estrelas que nos norteiam nos céus.

Carmem K’hardana

INNANAH, a Deusa do Abismo, o princípio de tudo, identificada na natureza como a grande escuridão do mistério dos céus. O poder criativo.

NINHURSAG, a Deusa da sabedoria ancestral. Representada na natureza pelas montanhas, a ama de leite da humanidade. A sabedoria.

ISHTAR, a Deusa do amor e da beleza feminina. Na natureza, é representada pelas águas doces dos rios, cachoeiras e córregos. A compreensão, o amor e o praze

IANAT, a Deusa das portas. Na natureza, é representada pelos ventos. A força em nossas guerras, e a lembrança de nossa força ancestral. A força dos inícios.

NINKASSI, a Deusa da mesa posta, da nutrição da terra e do alimento. Na natureza, é representada pelas águas que escorrem do alto das montanhas. A nutrição e a proteção da família.

ASHERÁ, a Deusa do fluxo da vida, deusa representada pelos mares, pelas árvores e pelos fluxos de águas subterrâneas da terra. A guardiã do Shuasar, que é a memória do mundo espiritual. O contentamento.

NANSHE, a Deusa das artes, dos sonhos e dos sopros que ecoam pela terra. Na natureza, é representada pelas cavernas. A força do canto. A cura pelos sonhos.

INNAH, a Deusa dos ciclos do tempo. Na natureza, a Lua. Os ciclos da vida e de tudo o que é manifesto. O tempo e sua magia, os ciclos da terra.

SIDURI, a Deusa dos mistérios femininos. Na natureza, é representada pelas fendas nas cavernas. Os mistérios do Sagrado Feminino.

UTTU, a Deusa da magia, tecelã do destino. Na natureza, é representada pelas brumas eu saem da terra. A magia, a proteção do feminino... a tapeçaria do destino.

GULLAH, a Deusa da cura, do sustento e das fronteiras. Na natureza, é representada pelas forças e ventos espiralados. A cura e a fertilidade.

SHARIT, a Deusa do êxtase nos ritos. Na natureza, é representada pelo fogo. A conexão, e as histórias que mantém viva as tradições.

Professora de Cabala, Membro do Conselho Ancião da Academia de Cabala, Facilitadora de Círculos do Sagrado Feminino, Terapeuta Cabalista, Numeróloga (com foco na Cabala Ancestral, as deusas e faces ocultas do Panteão da Cabala Ancestral, letras e números), Artesã.